Você pode ser o que quiser

280255_Papel-de-Parede-Linda-Modelo-de-Cabelo-Azul_1920x1200

Acompanhei um debate inflamado entre várias garotas em uma rede social e a divisão de times era clara: cabelo natural x cabelo alisado. Por alguns instantes, eu me considerei uma pessoa extramente indelicada por estar metendo meu bedelho onde eu não havia sido chamada. Mas como tratava-se de uma espécie de fórum aberto, eu me senti no direito de manifestar a minha opinião.

O papo era nitidamente superficial, mas não chegava a ser fútil. Ao contrário, elas eram muito inteligentes e tinham ótimos argumentos. O cenário estava liderado por garotas adeptas dos cabelos cacheados, que assumiam o look natural e levantavam a bandeira do “não alise, assuma!”. A segunda maioria era formada por garotas com cabelos lisos e que sonhavam em tê-los cacheados, vestindo a camisa do #teambabyliss. Ambos os grupos estavam unidos para criticar as garotas que alisam os cabelos, ao invés de assumi-los como são. Frases como “elas gastam muito dinheiro com tratamentos capilares” e “não tenho medo da chuva” chamaram a minha atenção.

Assumidamente, faço parte do grupo hostilizado ♥

Em seu estado original, meu cabelo é cacheado. Na verdade, depois de tantas mudanças, descolorantes, tintas, progressivas e o efeito semanal do secador, o coitado nem sabe mais o que é. De vez em quando, deixo-o secar naturalmente só para observar qual vai ser a reação da semana. Nos outros dias, passa horas fazendo escova e/ou passando chapinha. Porquê? Porque prefiro assim, acho que fica mais bonito [apesar do marido discordar].

Sou do tipo de pessoa que reflete no cabelo a mudança de cada fase da vida. Já os cultivei 100% naturais, com cor e textura original, mas também já fui loira alisada, já tive mechas vermelhas, californianas e sei lá mais o que. Eu me recordo de todos esses períodos com saudade e sempre me pego pensando em quando terei aquele cabelo de novo. Também ressalto que há uma série de ideias na fila, apenas esperando o próximo surto de personalidade para passar a tesoura ou jogar uma nova tonalidade.

Tentei passar um pouco da minha experiência para aquelas garotas, mostrando que todo mundo tem o direito de mudar. Todo mundo tem o direito de buscar aquilo com que mais se identifica. E isso vai muito além do que um simples tratamento pra cabelo. Quantas e quantas dicas de moda preconceituosas a gente não lê por aí diariamente, dizendo que gordinhas não podem usar isso, ou que baixinhas não podem usar aquilo, ou que magrinhas devem evitar acolá, por exemplo? Fora todos os padrões de beleza impostos pela mídia, a pressão, o bullying. Esse assunto pode ir tão longe!

Pra mim, cada mulher tem que buscar o que há de melhor nela. Se é apaixonada pelos cabelos como são, ótimo! ♥ Mas se ela se sente melhor fazendo escova todos os dias, quem somos nós para julgá-la?

Toda pessoa tem o direito de se sentir bem, de gastar o dinheiro que achar que deve, de ser quem ela quer ser. Errado e ditatorial é você assumir determinada postura (ou escolher o seu time, como eu disse ali em cima) e achar que é mais esperta ou mais determinada que a outra. Errado e ditatorial é você olhar pra menina e perguntar “porque você não alisa o cabelo? fica bem melhor, gata.” Errado e ditatorial é você zoar a garota que tá fugindo da chuva pra salvar a chapinha a qual ela dedicou quase 1 hora.

É opinião e preconceito demais, enquanto há personalidade e liberdade de menos.

Seja o que você quiser! ♥

You may also like