Você nunca perde tempo por ser uma boa pessoa

funny-modern-man-nice-hd-picture

Tá se sentindo um idiota por ter sido legal com alguém que não retribuiu? Pois é, bem vindo ao clube.

Geralmente a primeira coisa que a gente faz é criticar a outra pessoa, sempre tentando entender quais motivos a fizeram não corresponder as nossas expectativas. Mas é engraçado como também costumamos a nos punir e nos repreender… Por sermos boas pessoas.

Que loucura né, cara?

Vejo isso acontecer muitas vezes quando as pessoas terminam uma relacionamento amoroso que já não ia muito bem. Converso bastante com as amigas – eu mesma já estive nesse mesmo lugar… quem nunca, né? – e quase sempre eu escuto as mesmas coisas: “eu fui boba por ter confiado nele”, “eu fui uma trouxa por ter feito tudo pela relação”, “ele não merecia todo carinho que eu o dediquei”.

Também já vi gente passando por coisa parecida no trabalho, e bateu aquela revolta por ter feito um trabalho incrível, ou antecipado um puta prazo importante, e o gerente não parabeniza. A cabeça ferve de raiva e de outros sentimentos ruins, a gente não se sente valorizado. E é como se, mesmo nos esforçando ao máximo, não somos sequer notados.

E dói quando a gente vê que o nosso melhor não faz a menor diferença, né?

Claro que essa revolta inicial é totalmente compreensível, e eu diria que, até certo ponto, ela também pode ser saudável. Esbravejar, colocar pra fora e espantar os próprios demônios ajuda (e muito!) a gente a superar uma fase complicada como essas.

Mas eu recomendo que, após essa primeira explosão e os primeiros goles de cerveja, você pare um pouquinho para analisar o lado bom de tudo isso. E eu não tô falando dessa parada de se sentir superior não. Tô falando de você se sentir em paz com você mesmo, de poder colocar a cabeça tranquilamente no travesseiro, sabendo que você cumpriu a sua parte como deveria.

Seja numa relação amorosa, profissional, ou em qualquer tipo de relacionamento, ser uma boa pessoa boa nunca é perda de tempo. Respeito, lealdade, sinceridade, honestidade, parceria. Quantas dessas qualidades que a gente considera essenciais em uma pessoa, nós não percebemos que estão cada dia mais perdidas e desvalorizadas por aí?

Nada como a sensação de sair com a cabeça erguida, com a consciência intacta de que em todo momentos, mesmo que tenha errado, você agiu positivamente. Mesmo que a outra pessoa tenha feito um milhão de cagadas, e você já tenha se cansado disso – PORQUE NINGUÉM É OBRIGADO NÉ – desistir ou pular fora desse barco é algo que deve lhe trazer paz, e não arrependimento.

Ás vezes eu acho, além de muitos outros motivos, que o convívio em sociedade vem sendo cada vez mais prejudicado porque as pessoas estão perdendo esse princípio, sabe? E hoje em dia ser honesto é ser ingênuo. Ser fiel é pedir pra ser traído. Ser sincero é grosseria. Ser parceiro é perder a oportunidade de sair ganhando.

E aí depois o bocó reclama da política, da desigualdade, ou sai chorando quando esbarra com alguém mais malandro que ele

A gente não deve se arrepender de praticar o bem. Não é pra pagar de bonzinho, ou mesmo para barganhar lá no futuro. É simplesmente para exercer a bondade, pra fazer disso um hábito, buscando uma evolução, um pouco mais de amadurecimento.

Se você quer ser legal, SEJA! Se isso não for bem vindo pelo outro, pode ter certeza que lhe fará muito bem, cedo ou tarde.

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *