Cuidados, rotina e comportamento: TUDO que você precisa saber antes de ter um cachorro

bigstock-girl-with-her-dog-resting-outd-50047244

[SENTA QUE LÁ VEM TEXTÃO]

Oi, oi e oi! 🙂

As pessoas sempre me fazem bastante perguntas sobre cães, e eu confesso que isso me deixa muito feliz! Não só pelo fato de eu ter a chance de falar sobre algo que gosto muito, mas também pela confiança que as pessoas depositam em meus conselhos e orientações.

E foi pensando nisso, que eu quis fazer esse post inicial, mais voltado pra quem ainda não tem um cachorrinho, mas que tem muita vontade de ter. Eu listei alguns tópicos básicos que devem ser considerados antes de você tomar a sua decisão.

É muuuita coisa, mas é importante que você se conscientize sobre isso tudo!

BORA?

1.VOCÊ DEVE SER RESPONSÁVEL POR ELE: é importante ter a plena consciência sobre o tempo de vida de um animal, que é em média de 15 anos – quase nada perto do que eles mereciam viver <3 – e sobre o vínculo emocional que ele estabelecerá com você. Uma pesquisa comprovou que existe uma “similaridade entre o ‘efeito de base segura’ encontrado na relação dono-cachorro e na criança-pai”. Ou seja: se não é pra tratar como filho, melhor não ter.

2. VOCÊ DEVE AVALIAR TODA SUA VIDA: muita coisa vai mudar com a chegada dele. Provavelmente sua rotina sofrerá algumas adaptações para suprir as necessidades do animal, além de alguns momentos do dia que você deverá dedicar somente a ele. Manter um animal também impacta no orçamento da casa, pois acrescenta custos básicos, tais como: alimentação de qualidade, idas ao petshop (semanais ou mensais), consultas ao veterinário, vacinas anuais, conforto, higiene e outros mimos que talvez você queira fazer.

3. SEU ESTILO DE VIDA x TEMPERAMENTO DO CÃO: além das diferenças físicas, como porte, peso e pelagem, cada raça possui suas próprias características comportamentais. É importante que você pesquise bastante e tente associar essas informações sobre cada raça com seu estilo de vida. No caso dos viralatinhas – os melhores! <3 – você pode se informar ou deduzir de onde vem essa misturinha, para tentar traçar um possível padrão de comportamento. Você também deve tentar saber qual o passado daquele cachorrinho, se ele sofreu algum trauma que requer atenção, ou até mesmo qual o temperamento dos pais, pois a genética influencia bastante nesse caso.

4. APRENDA A SE COMUNICAR COM ELE: e não fique esperando o contrário. Cachorros são muito inteligentes, mas além de precisarem de condicionamento e interpretação, é muuuito importante que você tente enxergar o mundo através dos olhos do seu cão. Muita gente se enfurece quando o cachorro late muito, ou apronta alguma coisa, por exemplo, e prefere esbravejar ao invés de se esforçar para entender o que está por trás dessa atitude. Cães falam com os olhos e demonstram seus sentimentos em pequenos gestos, basta exercer sua sensibilidade para captar tudo isso e estabelecer um vínculo de afeto e confiança.

5. SEJA O ALFA DA CASA: Instintivamente, cachorros enxergam a família como se fosse uma matilha – sim, eles acham que nós somos cachorrinhos também! rs –  que precisa de uma liderança confiável. Eles analisam já nos primeiros dias em casa, quem é o responsável pela comida e pela disciplina, por exemplo. Mesmo que estes cuidados sejam divididos com as crianças, os cães tem esse radarzinho ligado, dizendo “Cara, esse é quem manda no pedaço. É esse quem você deve seguir”.  Não sinta/demonstre pena de dar bronca no cachorro. Se você o trata bem o tempo inteiro, e o repreende exclusivamente quando ele faz coisas erradas, ele não terá medo ou ficará chateado com você. Ele sentirá respeito e confiança, sentimentos que trazem paz e segurança para a vida dele.

6. VOCÊ DEVE EDUCÁ-LO E ENSINÁ-LO: e não esperar que ele já chegue sabendo de tudo. Todos nós demoramos um bom tempo para aprender tantas coisas na vida… Porque esperar que o cachorro saque tudo de um dia pro outro? Tenha muita paciência, firmeza e disciplina na hora de ensiná-lo. Eu escrevi um post falando sobre como ensinar o filhote a fazer xixi e cocô no lugar certo, que é o que mais dá dor cabeça pros donos.

7. NÃO USE O NOME DELE PARA DAR BRONCAS: é algo aparentemente banal, mas que erramos facilmente no dia a dia. E bem simples de entender porque. O nome do cãozinho é uma coisa boa! É uma palavra que nós mencionamos com carinho, e que na maioria das vezes, está associado a comida, petiscos, passeios e etc. Por isso, quando o animal está fazendo alguma malcriação, e o dono fica “Para, BOB! BOB, para! BOOOOB para com isso” pro cachorro, é a mesma coisa que um “É isso aí, BOB! Manda ver, Bob! Tá fazendo certinho, BOB!”. Então se você quer dar uma bronca nele, não diga seu nome, mesmo que em um tom de voz mais firme. Escolha um termo único, forte e fácil de entender. O bom e velho “NÃO!” é quase sempre a melhor saída.

8. ELE PRECISA DE ROTINA E REGRAS BEM DEFINIDAS: assim como todos nós. Ele automaticamente associará bem os horários de dormir e de comer, ao observar a rotina da casa. Mas a regras precisam ser claras desde sempre, e sem exceções. Se você não quer que o cachorro se acostume a dormir na sua cama, não permita que ele durma de vez em quando. Ele não entende esse de vez em quando. Coisa boa ele vai querer sempre! Então é menos frustrante que ele nunca saiba o que é isso, do que ser podado sem entender muito bem o porque.

9. BOA ALIMENTAÇÃO E PASSEIOS DIÁRIOS: isso é o básico do básico, mas vale a pena escrever. Claro que dentro de suas condições financeiras, procure oferecer a melhor alimentação possível para o seu cão. E passeios diários são indispensáveis, por ajudam a tirar o estresse do cão, e pode ser usado como recompensa por bom comportamento. Outro lado bom dos passeios diários é que eles podem fazer o número 1 e o número 2 na rua, sem sujar a casa! Com o tempo eles aprendem a segurar e regular as necessidades e deixam pra hora do passeio, que é muito mais legal pra eles! Ah, não se esqueça de catar o cocô depois, viu?

10. TENHA UM VET DE CONFIANÇA: Ter um veterinário bacana a sua disposição é algo que não tem preço. Vez ou outra você vai ter alguma dúvida, ou seu cachorro vai aprontar alguma coisa, e você vai precisar recorrer a alguém que ajude vocês. E busque recomendações com seus amigos e estabeleça uma boa relação com o profissional.

11. PENSA NA CASTRAÇÃO: Não tenho muito o que falar sobre esse tópico. A castração é benéfica para a saúde dos cães por N motivos, mas muitas pessoas pensam que seria bacana colocar o animal para cruzar e ter filhotinhos. Se você está disposto a lidar com isso… Sei lá, ok. Mas pode ser que seu cachorro cruze e tenha filhotinhos indesejados. Vai sobrar pra você. É tipo filho adolescente, saca? Melhor para de caretice, encarar os fatos e ajudá-lo a evitar esse ‘transtorno’.

12. CUIDADOS COM A HIGIENE: Como eu falei la em cima, cães tem particularidades. Alguns precisam de mais atenção a limpeza dos ouvidos, outros são alérgicos a alguns produtos e outros, como no caso dos bulldogues e sharpeys, até precisam passar pomadinha nas dobrinhas, como os bebês. Esse é o tipo de cuidado que não deve ser negligenciado nunca. Fique sempre atento.

13. ELE PRECISA APRENDER A SE SOCIALIZAR: Com outras pessoas e com outros animais também. Um cachorro que é criado numa redoma, isolado do mundo lá no fundo do quintal, pode desenvolver agressividade e não tem a menor culpa nisso. Desde filhotinhos, ou desde os primeiros dias deles em casa, eles precisam entender que recebem visitas, que existem outros animais no mundo e que tudo isso é muito legal. Se seus amigos e parentes tem cachorros, marquem programas legais para fazer com os pets, leve-o para parques com áreas específicas para deixar o cão solto, deixe-o andar sem coleira em locais seguros e… Deixe que ele seja um cão.

Eu falei lá no comecinho que você deve tratá-lo como um filho, mas isso no sentido de responsabilidade e cuidado. Cachorro não é gente. E isso não é uma ofensa contra eles. Ao contrário, é a melhor coisa! A melhor coisa de um cachorro é que ele é muito melhor do que qualquer humano que você pode conhecer.

Por mais que a gente tenha cuidado de filho, seu cachorro ainda é um cachorro. Um ser vivo com instintos, heranças genéticas, necessidades que ele tem e você não. Sei que você preserva a segurança dele mas… deixa ele correr igual maluco de vez em quando, sem medo de ser feliz. Deixa ele brincar na lama, fazer bagunça e comer capim.

Deixe que seu cachorro seja a melhor versão dele mesmo e ganhe o título de melhor DONO/PAI/MÃE do mundo!

É isso! Espero ter ajudado vocês!

Tô sempre a disposição para responder as dúvidas nos comentários!

Beijos

 

Continue Reading

Um pedido aos casais legais: por favor, não desistam um do outro

6783398-couple-wallpaper

Acabei de ler o texto do Gregório Duviver dedicado à Clarice Falcão, e essa era justamente a inspiração que eu buscava pro post de hoje. Na verdade, era a deixa que eu esperava há muito tempo para escrever sobre isso.

Ao contrário de algumas pessoas, eu nunca fui muito ligada no romance dos dois. Sempre tive uma visão bem superficial sobre eles, mas sabia que era um casal inteligente, que combina pra caramba e que faz uma série de trabalhos bacanas juntos. Do tipo que nunca deveria se separar. 

Parece que já faz um tempinho, mas eu só soube hoje que eles não estão mais juntos, e ao ler cada doce palavra escrita por esse cara, eu consegui imaginar e me identificar com todas as memórias vividas e guardadas por ele.

E quando o texto terminou, ainda um pouco emocionada, eu só consegui pensar: Porque casais bacanas se separam? 

Quantas vezes na vida a gente conhece casais assim, especiais, singulares e incríveis, mas que depois de um tempo, por motivos que nem sempre a gente descobre, a relação chega ao fim. De Bonner & Fátima àquele casal de amigos com quem eu dividi algumas cervejas, carrego comigo o pesar de ver lindas histórias chegando ao fim.

Sei que cada um sabe de si. Sei que ninguém é obrigado a ficar junto do outro pra sempre, quando a coisa não vai bem. Sei que o amor mais lindo pode esconder trevas que jamais serão expostas para os outros. Às vezes o casal perde aquela liga que fazia dar certo no início, ou simplesmente, os dois querem seguir rumos diferentes.

E aí o casal fica parado, um de frente pro outro, com uma porção de cartas na mesa, quase todas indicando que vale a pena continuar junto… Mas desistem. Fim. Me diz… porquê?

Porque é mais fácil se apegar a uma lista de defeitos e incompatibilidades, do que a todos os bons motivos que trouxeram o casal até aqui? Porque no dia-a-dia a gente esquece o quanto o outro é inteligente e engraçado, e passa a se importar muito mais com as manias irritantes? Porque alguns casais tem tudo pra dar certo… mas não dá mais?

Eu provavelmente ficaria aqui, enchendo minha cabeça com todas essas perguntas, e jamais encontraria uma resposta que esclarecesse tudo. Cada relacionamento é um encontro de dois universos infintos.

Mas fica aqui o meu apelo aos casai legais: por favor, não desistam um do outro.

Vocês não fazem ideia disso, mas são um espelho pra outros casais que estão começando um relacionamento agora, a esperança pra quem sonha em viver um amor, e o sorriso de alguém do outro lado do mundo, olhando a última selfie postada por vocês.

É no amor incondicional que vive a salvação de muitos males do nosso mundo. É esse o sentimento que vai construir famílias e lares, que vai fazer você sorrir no meio de todo caos.

Para e pensa: se a outra pessoa é digna da sua admiração, se ela esteve do seu lado quando você pensou que nenhuma outra estaria, não desista de vocês. Se houver uma pontinha de esperança lá dentro do coração, e se a dor de se imaginar longe do outro é mais forte do que o desejo de ir embora… Por favor, fique.

Pense, arrependa-se, esforce-se, elogie, dê o seu melhor. Tente de novo, tente mil vezes. Peça perdão, peça um tempo, fique longe. Mas volte…

Um dia vocês estarão sentados no sofá da sala, procurando um filme para assistir, e você vai olhar para aquela pessoa e enxergar todo esse amor. Vai lembrar que no seu coração ainda arde uma ou outra mágoa que ela lhe causou, mas você vai se permitir se apaixonar de novo, como tantas outras vezes.

Você vai dar mais essa chance pra vocês… e vai valer a pena.

Essa noite vou rezar por todos os casais bacanas desse mundo! <3

screenshot_20160703-210119

 

Sinceramente ainda acredito em um destino forte e implacável

E tudo que nós temos pra viver é muito mais do que sonhamos

 

Vem andar comigo – Jota Quest

Continue Reading

Meu cachorro vomita uma espuminha amarela: Saiba como ajudar o seu melhor amigo e evitar que isso aconteça

brown-dog-with-sad-eyes-wallpaper-pin-it

Oi, galera!

O assunto de hoje é um pouquinho desagradável, mas é algo que acontece com muitos cães e deixa os donos bem preocupados. Há alguns meses atrás o Wisky, meu filho de quatro patas, começou a apresentar esses episódios com cada vez mais frequência, embora isso já acontecesse desde que ele era filhotinho. Trata-se de uma espuminha amarela que alguns cachorrinhos vomitam, quase sempre pela manhã.

No dia em que tirei essa foto aí de baixo, meu marido havia colocado ele na cama pra ficar comigo, assim como faz todas as manhãs, quando sai cedo para trabalhar. Depois de alguns minutos, o Wisky começou a vomitar pela cama toda. Eu fiquei tão nervosa, que não consegui tirá-lo dali… Deu um trabalhão para tirar essas manchas depois, mas a minha preocupação era mesmo com saúde dele.

Isso começou a acontecer pelo menos uma vez por semana, e não havia nenhum motivo aparente para isso. A alimentação dele continuava normal, os remédios, vacinas e vermífugos também estavam todos em dia, o cocô estava “bom” e o comportamento dele não estava diferente. Então, conversando com a veterinária dele aí do Brasil, e pesquisando bastante na internet sobre o assunto, chegamos a algumas conclusões.

44153760-6d41-439e-bf05-bab099f25d29
Wisky triste e envergonhado depois de vomitar espiminha amarela :(

 

O QUE É ESSA TAL ESPUMINHA AMARELA?

Os donos de cães da raça Shih tzu, Westies, Lhasas e Malteses, são os que mais se queixam sobre esse problema,  pois eles possuem o estômago muito sensível. Esse líquido amarelado vem da bílis, um componente digestivo que é produzido no fígado.

Ele é armazenado na vesícula biliar e liberado no intestino delgado, logo abaixo do estômago. Os vômitos pela manhã são um sinal de que o estômago do seu pet está passando tempo demais sem digerir alimentos.

Daí eu me dei conta de que aqui em Berlin, assim como uma série de outros hábitos, o horário das nossas refeições mudou, e nós passamos a jantar mais cedo. No Brasil, por causa da rotina intensa de trabalho e do tempo gasto no trânsito, não tínhamos nenhuma disciplina, e os horários eram super malucos.

Eu já contei pra vocês aqui no Blog que o Wisky engorda com muita facilidade (é de família né, gente? <3) e como nós precisamos ficar de olho no peso dele por conta das viagens pro Brasil, eu tento controlar a alimentação dele sempre, pra que ele não tenha que fazer uma dieta muito pesada antes de cada vôo.

Só que aí que estava o grande o problema: o Wisky passava praticamente 15h sem comer, que é intervalo entre o jantar e o café da manhã do dia seguinte. Infelizmente eu não me dei conta que isso causava esses enjôos nele, mas graças a Deus, agora descobri a origem do problema.

not-feeling-too-well

COMO EVITAR ESSES ENJÔOS?

“Já que meu cachorrinho vomita porque está de estômago vazio, vou dar mais uma refeição para ele à noite, antes de dormir. Como se fosse um lanchinho, né?” 

ÉÉÉÉÉ. Não.

Nós não devemos introduzir mais uma porção na rotina alimentar dos nosso cães, até porque, isso pode fazer com que ele ganhe mais peso do que deveria. O que você deve fazer é dividir as porções que são ideais para o biotipo dele, principalmente, no caso do jantar.

Para o meu Wisky, eu separo um pouquinho da porção do jantar dele para dar antes de irmos dormir, ou então, dou alguma frutinha ou legume. Assim ele fica saciado e passa a noite digerindo esse alimento, evitando o acúmulo de líquido biliar. 

Depois que eu fiz esse adequação em sua rotina alimentar, ele nunca mais vomitou a bendita espuminha amarela! 🙂 

happy-dog-running-by-500px

FIQUE ATENTO À SAÚDE DO SEU PET

Vômitos frequentes podem indicar muitos outros problemas. É importante que você observe se esse sintoma também está acompanhado de perda de apetite, alergias e diarréia, ou mesmo alguma mudança no comportamento dele que indique dor ou desconforto.

Portanto informe seu veterinário sobre o que está acontecendo, e não deixe de levá-lo para uma consulta, se os problemas persistirem ou se agravarem, ok?

Ah, eu também não posso deixar de dizer pra vocês que eu não sou veterinária! Eu apenas gosto muito de pesquisar e falar sobre animais, e sempre que algo funciona aqui em casa, gosto de compartilhar aqui no Blog com vocês.

Beijos!

Continue Reading

Respondendo a TAG: Séries de TV

tvwatching

Hey, pessoinhas!

Se para alguns de vocês, sábado é dia de balada, bebedeira e curtição, pra mim é dia de maratona de séries! Mas pra ser bem sincera mesmo… Todo dia é dia de série aqui em casa.

Para piorar o meu vício, eu meu casei com um cara que é tão viciado quanto eu. No geral, nós gostamos das mesmas coisas. Ele consegue se interessar por vários tipos de séries, já eu sou mais chata criteriosa.

Eu decidi responder essa TAG #Series por que adoro falar sobre o assunto, relembrar meus personagens e cenas favoritas e também dar dicas pra vocês!

Bora falar de coisa boa? 😀

1. Qual seu seriado atual favorito?

Game Of Thrones e Modern Family.

2. Qual você está assistindo no momento?

Grey’s Anatomy (12ª), Modern Family (6ª) e Gilmore Girls (comecinho).

3.  Qual seu seriado antigo favorito?

Ano Incríveis, Full House, CHAVES e Sex and The City.

4. Cite um seriado que todos gostam e você não gosta.

How I met your Mother, Friends e The Big Bang Theory. JURO que tentei, mas não rolou.

5. Qual seu personagem favorito de um seriado?

Miranda Hobbes de Sex and the City (<3) , Cristina Yang de Grey’s Anatomy e John Snow de Game Of Thrones.

tumblr_lz1f69apsd1qmi5uao1_500

6. Qual personagem você odeia?

Jofrey ‘Baratheon’ e Ramsey ‘Bolton’ de Game Of Thrones, Serena Van der Woodsen de Gossip Girls e Amelia Shepherd de Grey’s Anatomy.

7. Qual seriado você recomenda para todo mundo?

Game Of Thrones  e Modern Family.

8. Qual seriado tem o melhor figurino?

Pretty Little Liars traz uns looks mais acessíveis e reais, com os quais mais identifico. Eu amo o estilo da Emily Fields! Gossip Girls também arrasa nesse quesito e eu adoro os looks da Blair Waldorf. Sex and the City também é incrível, mas é bem fashionista.

9. Qual foi o seriado que você assistiu nas últimas 24h?

Gilmore Girls.

10. Já ficou triste com o final de alguma série?

Detestei o final de Gossip Girl, foi ridículo, a gente merecia mais. Mas Anos Incríveis foi o final mais triste de todas as séries desse mundo, na minha opinião. Meu coração aperta só de lembrar…

“Depois de tanto tempo… Eu ainda me recordo”

11. Melhor abertura ou música tema?

Full House! 🙂 É a única série que eu sempre vejo/escuto a abertura, adoro a musiquinha! hehehe e o mais bacana é ver o elenco crescendo.

 

12. Qual seriado você tem vontade de assistir?

Breaking Bad, House e Girls.

13. Qual personagem você gostaria de ser?

Cristina Yang!

tumblr_mal19n7f3x1qbf8iho1_500

14. Qual série você não tem vontade de assistir?

House Of Cards. Parece muito complexa pra mim.

15. Pense em alguém, escreve o nome dessa pessoa, fale uma série que vocês gostam em comum e o porquê.

  • Mari Canciano = Grey’s Anatomy! Porque nós somos o drama em forma de mulher! <3
  • Sandra Segato = Game Of Thrones! Porque foi ela quem me apresentou a série! Valeu, Sandrinha! <3
  • Marina Mercês = Sex and the City! Porque um dia seremos eu, ela e NY! <3
  • Vitão (irmão) = Ano Incríveis! Por que Kevin Arnaldo nos une, não importa onde estivermos! <3
  • Will (marido) = Dexter! Porquê só ele é capaz de fazer eu me encantar por um serial killer! <3
  • Amandinha (sobrinha) = Gossip Girl! Por que a gente adora o Chuck Bass! <3
  • Fernanda (BFF) = Frankie & Grace! Porque somos nós duas no futuro… ISSO É FATO! <3

16. Qual protagonista que você não gosta, mas curte a série.

Meredith Grey: chata, dramática e azarada que só.

17. Você assiste (assistia) alguma série brasileira?

Os Normais! Melhor programa que a Globo já fez.

18. O que você mudaria no rumo da sua série favorita?

Ela teria dito SIM…

19. Qual a cena que mais te marcou?

A batalha dos Bastardos de Game Of Thrones. Não consegui nem dormir depois desse episódio de puro êxtase.

20. Com qual personagem você mais se identifica?

Eu sou uma boa mistura de Miranda Hobbes + Charlotte York de de Sex and the City AND Cameron Tucker + Mitchell Pritchett de Modern Family.

21. Qual série você não está gostando mas não consegue parar de assistir?

Pretty Little Liars! GENTE DO CÉU que coisa chata… mas quem diabos é -A??

22. Uma série para DAR RISADA?

Modern Family.

23. Uma série pra se APAIXONAR?

Sex and The City.

24. Uma série para querer CORTAR OS PULSOS?

Grey’s Anatomy.

25. Uma série pra CAGAR DE MEDO?

American Horror History. Simplesmente impossível assistir a 2ª temporada.

 

É isso! Espero que tenham gostado da TAG!

Beijos

Continue Reading

Nova TAG #FUTILIDADES – Gostar de falar sobre isso não te faz alguém superficial

tumblr_lddip9bmiw1qdwl9eo1_400

Hey, pessoinhas! Tudo bem?

O post de hoje vai estrear uma nova categoria aqui do Blog, o FUTILIDADES!

Quando eu comecei a publicar meus textos, eu não sentia vontade de escrever sobre essas coisas – cabelo, maquiagem, moda e etc – porque acho que há uma porção de gente falando sobre isso que é muito mais rica talentosa e antenada do que eu.

Só que com o passar do tempo, eu me dei conta de que, apesar de não entender muito, nem de dar TANTA importância pra isso, eu sempre gostei de trocar figurinha, sabe? Gosto de cuidar do meu cabelo e da minha pele, tô sempre pesquisando e conversando com as amigas sobre produtos legais e adoro consumir esse tipo de conteúdo na internet.

E também percebi que ficar determinando sobre o que é relevante escrever ou não, tira um pouco da minha personalidade e espontaneidade aqui do Blog. Além do mais… O fato de gostar de falar sobre pequenas futilidades não nos torna realmente fúteis, materialistas ou superficiais.

Durante um tempo eu pensava “porra, parece que fulana só sabe falar dessas coisas”. Hoje vejo o quanto isso é preconceituoso e como esse tipo julgamento tá na contramão do Feminismo.

Sem querer colocar polêmica no post, acho que uma das coisas mais bacanas do empoderamento feminino é que ele nos possibilita escolher o que é melhor pra nós, e nos permite SER e FAZER o que quisermos, sem nos importarmos com possíveis rótulos.

i-choose-my-choice-charlotte-york

Em outras palavras: a gente pode refletir sobre nossa existência e deve aprender a se posicionar diante de outros assuntos, digamos, mais importantes. MAS isso não nos impede de sentir aquela puta satisfação alegria boba no coração quando compramos um batom novo, ou quando vê que o bendito do óleo de côco dá resultado mesmo.

Eu tô bem longe de me tornar (e querer ser) o tipo de blogueira que faz tutorial de maquiagem e posta look do dia, por que, nesse caso, meu bem, eu sou a mulher desesperada por informação e referência, assim como você!

Então a partir de hoje, aqui no TCeC, TÁ LIBERADO falar de futilidade, frescuras e etc., e a gente promete que não vai te julgar por isso!

Beijos

 

Continue Reading

CORTO OU NÃO CORTO O CABELO? – onde buscar inspiração, como criar coragem e se adaptar ao novo visual

my-new-short-hair

Tá aí uma coisa que eu nunca pensei que teria de novo: CABELO CURTO.

E quando falo “de novo” é porque, na infância, eu tinha aquele famoso corte Joãozinho, que fez um mega sucesso nos anos 90, sabe? Não que eu fosse dessas de querer estar na moda – até hoje eu não sou – mas sempre tive um cabelo cacheado e super volumoso, que dava um trabalhão pra minha mãe. E olha, gente, vamo combinar que mãe nordestina é o tipo que a gente não quer tirar do sério, não é mesmo?

Eu também nunca fui “feminina e vaidosa”, nem gostava de pink, lacinhos e frescurinhas. Minha pegada era assistir Pokémon, brincar de Lego e bater tazzo. Eu também não tenho nenhuma lembrança de me incomodar com o tal cabelo curtinho, não me achava “menos menina” por isso.

ATÉ ENTRAR PRA ESCOLINHA  e começar a me sentir meio deslocada. Engraçado como hoje esses conceitos estão mudando – O QUE É MARA! – mas a minha geração foi muito afetada por esses rótulos.

Eu era uma criança mimada pra caralho muito tímida, então logo no comecinho, eu achei que os meninos era bem mais receptivos e menos implicantes do que as meninas. Mas as professoras, pra coordenar as brincadeiras, sempre dividiam os grupos, eu ficava meio desapontada.

E foi só questão de tempo pras meninas perceberem, e usarem meu cabelo pra fazer isso que, hoje, é considerado Bullying. Foi aí que eu me dei conta de que pra ser aceita no grupinho, eu teria que me parecer com as outras meninas. Então eu falei pra minha mãe que queria deixar o cabelo crescer e até pedi pra entrar pro balé.

É claro que o balé não deu certo pra rainha da meiguice aqui. Tretei com as meninas na primeira aula e cabulei a segunda pra brincar de recorte-e-cole com os meninos. Levei uma puta bronca da professora e nunca mais voltei a frequentar as aulas. Porém o cabelo, com muito custo, deixei crescer.

O mais foda é que eu sabia que o cabelo curto era melhor pra mim. Era muito mais prático e eu não tinha que ficar arrumando e prendendo o tempo todo. Eu nunca gostei de ter-que-domar o meu cabelo, e também não tô querendo dizer que isso tem que ser feito. Vamos esclarecer que NAQUELA ÉPOCA, cabelo cacheado e com volume era considerado “armado”, “rebelde”. Eu também sabia que o cabelo longo era trabalhoso pra minha mãe, até porque eu chorava pra caramba (pentear cabelo cacheado DÓI, sabia?), e no final, a gente brigava.

Mas eu tinha que ser aceita, eu precisava me encaixar. Cabelo curto não era cabelo de menina. Era cabelo JOÃOZINHO, e não Mariazinha.

CARA, TUDO FICOU TÃO CLARO PRA MIM AGORA.

Eu era só uma criança e a pressão do mundo feminino já afetava minha vida, minha auto estima e as minhas escolhas. Vocês tem noção disso, galera? Eu sempre soube que o cabelo curto era a melhor opção pra mim, mas por conta de uma pressão externa, e por buscar a aceitação de sei-lá-quem, eu anulava a meu desejo.

Quanta vezes, ao longo da vida, nós mulheres fazemos isso, né? Quantas vezes a gente deixa de pensar no nosso próprio conforto, e no que a gente realmente quer, por considerar o que a sociedade vai pensar? Porra, isso é papo pra muito post… Mas hoje eu prometi que ia só falar de cabelo mesmo.

Já contei pra vocês nesse post aqui no Blog que fiz umas maluquices com o meu: sou originalmente morena, mas já arrisquei diversos tons de loiro e hoje, tô ruiva (e amando!<3). Há alguns meses eu venho namorando cabelos mais curtos lá Pinterest, e prestando mais atenção na mulherada que adere esse tipo de corte.

Eu cheguei a arriscar um corte médio por uns meses (contei pra vocês aqui), na pegada do long bob que tá super em alta, mas no fundo, eu ficava era rezando pra ele crescer. Desde que me mudei pra Berlin, e comecei a pintar o cabelo sozinha, e tenho mais tempo pra cuidar em mim e no meu visual, que eu fico remoendo  TUUUDO isso que escrevi ali em cima, e pensando:

Porque eu não consigo arriscar um corte mais ousado mas não tenho medo de mexer na cor? Por que eu não tive receio algum de escurecer totalmente um cabelo que tava loiríssimo uma semana antes do meu casamento #migasualocanaofazisso mas fecho os olhos cada vez que vou aparar as pontinhas?

Talvez seja um leve sopro do medo que tive um dia de não ser aceita. Ou pior, de não me aceitar do jeito que quero ser. As vezes a gente demora mais tempo do que imagina pra superar essas paradas da infância.

Após meses de pesquisa, eu finalmente ouvi o conselho da minha mãe:

Filha, seu cabelo é muito bonito e bem cuidado, mas você vive com ele preso, no coque ou no rabo de cavalo, não tem pegada de cabelo longo. Te dá dor de cabeça, dor no couro cabeludo, com o tempo você vai ficar careca… (OKAY MÃE JÁ ENTENDI).

A real é que o povo pode descordar como quiser. Mãe sempre sabe o que é melhor pra gente. E se eu nunca me arrependi ou dei cabeçada na vida, quando ouvi os bons conselhos dela, tava na hora de fazer isso mais uma vez.

FUI LÁ E CORTEI.

IMG_20160807_160437
Antes
IMG_20160809_133409
Depois

 

Ps: Sim, tem diferença de cor também, gente. Eu testei um produto da Lola Cosmetics quando cortei, e ele clareou um pouco meu ruivo. Mas isso eu conto pra vocês em outro post, ok? 

Confesso que, quando me olhei no espelho, não me reconheci logo de cara não. Minha reação foi bem diferente de quando pintei de ruivo e pensei: Meu Deus, porque o Senhor já não me fez ruiva de nascença? 

Eu ainda estou me adaptando, testando novas formas de arrumá-lo e tudo mais. Mas você, caro leitor, deve estar bem puto comigo agora, porque caiu nesse post aí nas suas pesquisas, buscando esclarecer a dúvida e encontrar as dicas lá do título do post.

DESCULPA, gente.

Eu sei que preciso treinar e escrever menos, mas eu quis dividir tudo isso com vocês porque as nossas decisões de mudança (ou permanência), quando relacionadas ao visual, precisam ser analisadas. Muitos dos problemas que temos com nosso biotipo, pele e cabelo, por exemplo, quase sempre são reflexos da pressão que a gente sofre pra ser aceita, como eu disse lá no comecinho.

As vezes a gente precisa MUDAR, seja pra se sentir melhor ou até mesmo por saúde. Mas também precisamos entender quando se aceitar é bem melhor do que buscar atingir um padrão… Que quase sempre não existe.

AGORA SIM… VAMOS ÀS DICAS!

Pra decidir se você deve ou não cortar o cabelo, e criar coragem, é importante que você:

  • Pesquise muitas referências, considere qual é o seu tipo de cabelo e pense em qual desses exemplos ele ficaria melhor. Separe os que vocês gosta mais e deixa essas imagens salvas no seu celular. Você pode criar um álbum no Pinterest com os cabelos que mais gostar, assim como eu criei.
  • Pensa que cabelo cresce igual capim, amiga. Sabe o buço, a axila e a virilha? Então! – a não ser que você tenha problema de crescimento né, aí tem que buscar um dermato, sei lá – e se você não curtir o resultado, logo seu cabelão tá de volta. Tem esse vídeo aqui da Mari, com esse cabelão lindo e rapunzel, falando sobre como fazer o cabelo crescer. MENTALIZA COISA BOA E NÃO DESESPERA.
  • Fique na sua zona de conforto, enquanto não cria coragem o suficiente. Ter paciência e respeitar seu próprio tempo é super sábio. Mas tenta arriscar um long bob médiozinho, depois um repicado mais ousado, aprende a usar a franja. E continua pesquisando, NÃO DESISTE.
  • Pesquise quais são os possíveis penteados e dicas para manter o cabelo novo, pra você estar preparada e não ser pega no susto, quando chegar em casa e se deparar com ele pela primeira vez.
  • Busque um bom profissional. Sério, gente… Nem todo cabeleireiro tem mão pra tesoura. Já vi casos de pessoas que se ferrarem por causa disso. Cortes mais curtos e ousados exigem que o profissional seja muito experiente!

Eu só faço meu cabelo com a minha cunhada Rô, porque além de ser uma baita profissional, ela é quase uma psicóloga. Ela conversa comigo, me aconselha, me passa segurança, mostra exemplos. Enquanto ela corta, ela vai mostrando como está, perguntando se o tamanho está bom… Enfim, uma querida e super talentosa! Eu super confio no trabalho dela e recomendo pra todo mundo! Se você mora na cidade de SP, é só pedir nos comentários que eu passo o contato dela! 😉

Essas foram as minhas referências de corte:

referências pro meu corte
referências pro meu corte

E os perfis de Insta que comecei a seguir pra inspirar:

E uns vídeos bem legais pra inspirar!

  • COMO FAZER ESCOVA & BABYLISS por Camila Coelho

Dicas de penteados para cabelos curtos

  • Victoria Ferreira

  • Julia Moraes

E por fim… O Fred Elboni falando sobre mulher de cabelo curto! <3

E aí, BONITA? Vai criar coragem pra cortar esse cabelo ou não?

Espero que sim… É LIBERTADOR!

Um beijo pra vocês!

IMG_20160826_185224

Continue Reading

40 DIAS NO BRASIL! – As viagens, os passeios e os reencontros

IMG_20160801_150624

Olá, pessoinhas! Tudo bem?

Estou de volta à Berlin e à rotina aqui do Blog! Saí do Brasil na quarta-feira (17/08) à tarde e cheguei aqui no dia seguinte. Eu achava que durante os dias que passei em solo brasileiro, eu conseguiria parar um tempinho para escrever um ou dois posts, mas assim como uma série de outras coisas que eu não conseguir fazer, isso acabou ficando de lado.

Foram 40 dias. Sim, QUARENTA. E acreditem, passou voando. Quando fechamos as passagens, eu achava que teria tempo de sobra para fazer tudo que queria, mas deixei de ver muita gente que eu gostaria de ter visto e não consegui fazer algumas coisas que estavam na minha listinha. O lado bom disso é que já queremos começar a planejar nossa viagem pro final do ano, e isso vai ajudar a passar o tempo mais rápido.

Eu comentei com vocês em um outro post sobre o meu medo de viajar sozinha de avião, vocês se lembram? Bom, se não lembram ou não chegaram a ler, o link está aqui. Depois que eu “assumi” esse medo aqui no Blog – e também para mim mesma – muita gente se preocupou comigo. Acabou dando tudo certo, embora tenham rolado alguns contratempos na volta pra cá, que eu conto lá no final do post.

Na viagem de ida para o Brasil, não tive problemas. De uma maneira geral, viajar com pets dá um certo trabalho, e como a minha prioridade é o bem estar do Wisky, acabo ficando bem desconfortável durante o vôo. Ele viaja comigo na cabine, em uma bolsinha que fica no chão do avião o tempo todo. Além do vôo ser longo, e as poltronas bem apertadas, eu fico basicamente o tempo todo sem conseguir esticar as pernas por causa dele. MAS como toda boa mãe…  Esse esforço vale a pena para tê-lo pertinho de mim.

No vôo para Munich eu conheci uma família de 16 brasileiros que viajaram por vários países da Europa! Achei tão bacana ver todos eles reunidos, brincando e se divertindo juntos. Wisky e eu fomos meio que adotados por eles, que me ajudaram com a minha bagagem de mão. Acabou que eu sequer tive tempo de pensar no meu tal medo,  porque não me senti sozinha, sabe?

Além disso, Wiskynho faz um baita sucesso por onde passa! O tempo todo as pessoas param pra olhá-lo, fazer perguntas sobre ele, e também sobre o que é preciso fazer pra viajar com pets no avião. Como eu adoro conversar sobre esse assunto, esclareço todas as dúvidas da galera, dou várias dicas e deixo todo mundo fazer carinho nele, principalmente a criançada! Ele é um cachorrinho um pouco tímido, mas está acostumado com todo esse assédio… hahahaha

Chegamos tranquilamente no Brasil, por volta das 6h da manhã. Depois de pegar a minha mala na esteira – no Brasil isso demora muuuuuito! Um absurdo – eu passei na alfândega para entregar o CZI do Wisky (contei pra vocês sobre esses trâmites legais neste, neste e neste post aqui). A moça conferiu os dados, me alertou sobre o vencimento da vacina anti rábica dele, que seria em dois dias (eu já havia agendado para aquela tarde com a Vet) e então fomos liberados.

Wisky e eu na espera da alfândega
Wisky e eu na espera da alfândega

Enquanto minha família estacionava o carro, dei uma volta com o Wisky no lado de fora do aeroporto, ele fez xixi numa arvorezinha que tinha lá (ele não faz dentro do avião), vesti a bandana do Brasil nele – pra entrar no clima né, gente! – e esperamos o pessoal nos encontrar.

Nem preciso dizer o quanto foi especial ver os olhinhos verdes da minha mãe, a carequinha do meu pai e o cavanhaque do meu irmão lá no meio das pessoas que estavam no desembarque! Ainda consigo sentir de novo toda a alegria de ver as pessoas que eu mais amo nessa vida, pela primeira vez, depois de quase seis meses longe.

Sei que muitas pessoas passam por isso, e me acham exagerada quando falo sobre minha relação com minha família. Mas eu sou apegada mesmo, nunca neguei ou me envergonhei disso. Mudar de país foi muito difícil pra mim, e apesar de estar gostando da experiência, voltar pro abraço deles é algo que traz uma PAZ enorme.

Saindo do aeroporto, rumo à casa dos meus pais!
Saindo do aeroporto, rumo à casa dos meus pais!

Logo no meu primeiro dia “em casa”, muitas pessoas foram me visitar. Eu bem que tentei descansar, mas essa coisa toda de viagem mexe muito comigo. Fico maluquinha com a diferença de fuso, mas mesmo muito cansada, eu tava louca para rever todo mundo, contar e ouvir as novidades, abraçar, dar risada. E comer é claro! Hahaha

Almoço com a mãe mais linda do mundo! <3
Almoço com a mãe mais linda do mundo! <3

Meu reencontro com meu cachorrinho Nico (assistam o vídeo aqui) que mora com meus pais, foi a coisa mais linda! Não quero escrever muito a respeito, porque só de lembrar, me dá um aperto de saudade… Mas ele me reconheceu de cara, pediu colo e me deu muitos beijos! Nico é mais reservado e um pouco menos carinhoso que meu Wiskynho, igualzinho a mim. Mas uma coisa é certa: quando ele gosta, gosta pra valer!

Nico, meu pandinha marrento e peludo! <3
Nico, meu pandinha marrento e peludo! <3

Wisky ficou mais maluco do que eu! Corria a casa inteira, comia, bebia água, olhava para as pessoas, cheirava cada cantinho… Como se estivesse pensando “Cara, parece que foi ontem que eu tava aqui com todos vocês!”. Ele se divertiu muito! Dividimos tudo com vocês lá no Instagram dele, através da hashtag #wiskynobrasil

Fora que ele foi super mimado pela família, né? Todos morrendo de saudade, apertando e beijando o tempo todo. Muitas pessoas me perguntam porque eu não deixei o Wisky na Alemanha e fui sozinha, já que viajar com ele é tão burocrático e cansativo… Gente, Wisky é parte da família, é como se fosse meu filho. Chegar lá sem ele não seria tão especial. Por mais que seja cansativo pra ele, nada se compara a alegria de vê-lo junto da nossa família!

Wisky no colinho da Vovó Nadir e do Vovô Zoca!
Wisky no colinho da Vovó Nadir e do Vovô Zoca!

Nos primeiros dias, eu me encontrei com muitos familiares e também com algumas amigas, mas o que eu queria mesmo era matar a saudade dos meus pais e do Niquinho. Na segunda semana, eu viajei para Marília, interior de São Paulo, onde moram meu tio Naldo e a família dele. Fazia mais de um ano que a gente não se encontrava, e foi muito especial passar esses dias lá. Eu pesquei, bebi caldo de cana, comprei CD pirata na feira e de muita risada! Isso é BRASEEEL!  

Nathaly, Mandy e eu no Pesqueiro do Jacaré
Nathaly, Mandy e eu no Pesqueiro do Jacaré

Nesse meio tempo, ainda no interior de SP, Wisky e eu demos um pulo na cidade de Fernandópolis, para conhecer namoradinha dele, a Meg, e a sua mamãe Mariana. Nós nos conhecemos há um ano, através do Instagram deles, e nos tornamos grandes amigas. Nós ficamos dois dias com elas, conversamos muito e conhecendo a cidade. Mas eu vou deixar os detalhes desse encontro pra ele contar pra vocês no Diário do Wisky essa semana! Nada como as palavras de um cara apaixonado, não é mesmo?

#WiskyeMegOEncontro
#WiskyeMegOEncontro
Valeu, Marília! <3
Valeu, Marília! <3

Voltamos para São Paulo, e no fim de semana seguinte, fomos para a casa de praia da minha família. Minha prima Amanda estava de férias, então nós passamos quase todos esses dias juntas! Foi muito bom estar com ela… Durante esse tempo em Berlin, eu me surpreendi com muita coisa, inclusive, com o carinho de quem realmente se importa comigo. Eu não imaginava que as pessoas me dariam tanta força e se fariam tão presentes. Amanda e tia Tia Eliete foram duas pessoas que sempre estiverem pertinho de mim, mesmo tão longe.

De volta à São Paulo novamente eu…

Cara, não consigo me lembrar exatamente da cronologia das coisas, só sei que foi tudo uma correria danada, e eu não consegui fazer tudo que eu queria. Mas pra resumir, eu curti muito a companhia da minha mãe e do meu pai, brinquei e pentelhei muito o Niquinho, assisti muito Netflix – o catálogo do Brasil é muito melhor que o da Alemanha! – encontrei a maioria dos parentes que pude e conheci as duas bebezinhas que nasceram na família este ano, Alícia e Brenda! <3

Alícia, ariana brava e cheia-de-direito igual a tia Nati! <3
Alícia, ariana brava e cheia-de-direito igual a tia Nati! <3
Brenda Moranguinho! <3
Brenda Moranguinho! <3

Eu também comi todas as coisas que eu queria! Frango com laranja da minha mãe, feijoada, cuscuz, cachorro quente, Itubaína, paçoca e muito mais.  Ganhei de volta 5kg dos 7kg que perdi um mês antes… Mas okay, seeeeeeeegue o jogo.

Na penúltima semana, Willian conseguiu uns diazinhos de folga, e também foi para o Brasil para visitar a minha sogra que passou por uma cirurgia há algumas semanas. Ele pegou toda família de surpresa, e apesar de não ter concordado em esconder a viagem dele (eu não sou muito chegada a esse tipo de surpresa rs) foi muito emocionante o reencontro de mãe e filho! Aliás, toda a família dele ficou super feliz, e eu mais ainda, por ver a felicidade de todos eles juntos de novo.

Will & Su
Will & Su

Eu também passei um tempinho com meu filho Alvin, que agora está morando com a família do meu irmão. Já contei pra vocês nesse post porque ele não pôde ir com a gente pra Berlin, e apesar de sentir a falta dele, vi o quanto ele estava feliz e bem cuidado com os titios…

Ou melhor, segundos pais, não é, Rô? Minha cunhada literalmente adotou o Alvin (que é chamado carinhosamente de Alvinho por todos lá) e até ficou “enciumada” com os dois dias que ele passou comigo. Vê se pode? Hahahaha Eu o levei pra tomar banho e tosar os pelinhos no Petz, e matei as saudades que tava sentindo do meu porquinho.

Amorzinho da mamãe! <3
Amorzinho da mamãe! <3

 Ah, eu também mudei de visual! Depois de dias de pesquisa, criei coragem e passei a tesoura! Depois faço um post falando só sobre cortes de cabelo nesse estilo.

Cabeleira nova!
Cabeleira nova!

 Os últimos dias foram ainda mais corridos, pois tive que providenciar os documentos pro Wisky voltar pra Berlin, fazer as malas e comprar tudo que ainda queria trazer. Tudo isso teve que ser conciliado com mais encontros e muitas saideiras com a família!

Willian voltou pra cá na terça-feira passada, Wisky e eu, na quarta. Na segunda-feira nós reunimos nossas duas famílias no Outback! Apesar de nós dois sermos super apegados as nossas famílias, poucas vezes conseguimos reunir Laurindos e Campidelis. São duas famílias bem grandes, e pra juntar todo mundo, a gente precisa de muito espaço! Mas eu fiquei muito grata e feliz por poder fechar com chave de ouro esse período tão especial pra mim.

Laurindos & Campidelis
Laurindos & Campidelis

Quero aproveitar pra pedir desculpas pra todo mundo que não consegui ver, ou mesmo dar a atenção que gostaria de ter dado. A vida que a gente leva na cidade de São Paulo é muito louca! As pessoas trabalham muito, o trânsito é caótico, tudo é longe, tudo é cansativo… Quase não sobra tempo para nada. Mas o que importa é que o segundo semestre do ano sempre passa num piscar de olhos, e em breve, estaremos todos juntos de novo.

Dia dos Pais! Zoca, eu te amo! <3
Dia dos Pais! Zoca, eu te amo! <3

A viagem de volta, como eu comentei lá no comecinho, teve uns contratempos. Minha conexão em Munich era de apenas uma hora, o vôo que saiu do GRU tava lotado, e como eles estão pegando pesado na imigração, eu acabei perdendo meu vôo pra Berlin. Mas antes mesmo de eu começar a entrar em pânico, um senhorzinho do aeroporto me levou até o guichê da Lufthansa, e as meninas nos encaixaram no vôo seguinte.

O povo diz que os alemães são fechados… Se são mesmo, eu sou uma pessoa de muita sorte. Sempre cruzo com gente bacana e profissionais gentis, super dispostos a me ajudar. Passei um pouco mal durante o vôo, com muita dor de ouvido… Mas chegamos bem aqui em Berlin.

Já descansamos bastante, colocamos tudo em ordem e estamos prontos para as nossas aventuras berlinenses parte 2!

Beijos

Continue Reading

Por uma vida mais leve

Death_to_stock_photography_Vibrant (10 of 10)

Precisamos desacelerar e precisamos fazer isso o quanto antes.

Estamos o tempo todo pensando em possuir e fazer coisas no futuro, que é quando de fato vamos alcançar a tão falada felicidade.

Se o almoço está bom, não vemos a hora de chegar a janta, porque vai ser melhor. Se estamos em uma viajem, não podemos perder tempo e já precisamos organizar a próxima.

A culpa não é sua. Somos empurrados para isso a todo momento. Basta ver como as redes sociais funcionam: é preciso compartilhar felicidade a todo momento, seja uma refeição, uma compra, um lugar. É “proibido” ser triste, o sorriso no rosto é obrigatório, mesmo que na vida real você esteja destruído.

Não somos culpados por tentarmos encontrar a felicidade, não é esse o problema. O problema é que não dá pra ser feliz o tempo todo. Hoje tudo está bem, mas amanhã tudo pode desmoronar. Hoje você está saudável, mas amanhã pode não estar mais. Hoje a pessoa que você ama está do seu lado e amanhã tudo pode acabar. Sim, é triste pensar assim? Sim e não. A vida é frágil, não somos permanentes e temos que aprender a viver dessa maneira.

Precisamos de uma vida mais simples e mais leve. Precisamos aprender a respirar e a não fazer nada. Tudo isso, por incrível que pareça, fará você absorver com mais qualidade tudo aquilo que estiver vivendo. Afinal, quantas memórias reais você tem guardadas em você? No final, isso vale mais do que todo o dinheiro da sua conta.

Precisamos aproveitar melhor nossas refeições, nossos amigos e inclusive nossos empregos. Simplesmente porque a vida de desfaz, a saúde às vezes falha e os amigos se afastam. Quando você não fica correndo como louco atrás de algo, naturalmente você abre espaço para que o que realmente precisa acontecer, aconteça.

Ao parar de correr, é mais fácil para aproveitar a paisagem.

 

Vivian Oliveira | http://viapoli.com.br/

Continue Reading

Como encontrar sua melhor companhia

download

Sim, existe um guia para encontrar sua alma gêmea. Aquela pessoa que te entende, que te respeita e que te ama. Não é um processo simples e nem fácil, eu já digo de cara. Mas se você realmente quer encontrar sua melhor companhia, o esforço vai valer a pena, confia em mim.

Antes de mais nada, você precisa se livrar do passado. Seja jogando fora aquelas fotos que só te magoam, as cartas que não fazem mais sentido ou bloqueando/apagando aquele contato e marcações que tanto te fazem mal. Esse processo todo pode levar em média de 1 a 100 dias. Talvez 1000. Quem decide o prazo é você, mas faça.

Depois, você tem que se renovar. Doe as roupas antigas, os sapatos e até o cabelo. Faça a energia circular, sua companhia precisa disso e você vai me agradecer.

Sem pensar muito, tome um banho relaxante e cante bem alto sua música favorita. Aproveite pra usar aquela roupa que você guarda só para “ocasiões especiais”, os óculos escuros e vá. Pra onde? Pra onde quiser, mas vá para algum lugar.

Chegando lá, escolha um lugar confortável, mas diferente do habitual. Escolha um que você sempre quis escolher mas ficava com receio de não agradar. Se for um restaurante, deixe o pudor pra lá (e os instintos mão de vaca também) e peça uma bebida do menu. Eu aconselho uma caipirinha (caipirosca ou saquerosca também valem, tanto faz, escolha o que te agradar) e a comida que mais te conquistar visualmente, mesmo que você não saiba exatamente o que é.

Por fim, olhe em volta. Leve na bolsa um livro ou os fones de ouvido para escutar sua música preferida. É o momento de você reafirmar e aproveitar tudo aquilo que você mais ama. Sem julgamentos, sem intenções de ser alguém que você não é. Então, quando você respirar fundo e sentir uma paz e tranquilidade, você vai se desprender de tudo aquilo que te prendia, de tudo o que te limita e aí…PARABÉNS! Você encontrou sua melhor companhia: você mesmo.

 

Vivian Oliveira | http://viapoli.com.br/

Continue Reading

Diário do Wisky: Como viajar com Pets da Alemanha para o Brasil – Parte 3

84da6675-2f1d-488b-9a32-5de27a4b0741

Olá, CÃObada de gente bonita!

Finalmente chegou a tão esperada semana da viagem para o Brasil! Eu já estou com todos meus documentos certinhos e nossas malas já estão prontas. Ontem a mamãe deu umas dicas de como fazer uma mala de viagem bacana e como proteger objetos delicados dentro da bagagem.  

Então, no post de hoje, a gente vai contar a minha versão Pet disso tudo!

Em muitos outros posts aqui do Blog, contamos para vocês como foi a nossa primeira experiência com viagem internacional. Em todos os momentos sempre foi muito importante a atenção aos detalhes, às datas e às regras que devemos cumprir.

Viajar com Pets é realmente muito complicado como se imagina, mas com bastante atenção e dedicação, é possível estar com seu peludo em mais esse momento. O dono do animalzinho deve, sobretudo, comprovar que ele é saudável e tem condições sanitárias de transitar internacionalmente.

Nesse post a gente fala como foi nossa pesquisa e como descobriu todos os trâmites e processos burocráticos pra eu poder viajar da Alemanha para o Brasil. Nesse aqui, contamos como foi a compra da passagem, minha reserva no vôo, e como planejamos os próximos passos.

Na última segunda-feira nós fomos até ao Amtstierarzt, que é um Veterinário Oficial aqui de Berlin. Esse senhorzinho é quem podia assinar meu CZI, documento que precisa ser emitido sempre que o pet viajar e autoriza sua entrada nos outros países.

Eu contei pra vocês nos posts ali de cima tudo que o pet precisa ter para conseguir tirar esse documento, e o modelo de CZI aqui da Alemanha para viajar para o Brasil é esse formulário aqui que você encontra disponível pra download no site da embaixada brasileira.

Eu precisei ir junto com a mamãe, porque o Vet Oficial precisa ver que eu realmente existo. Nós lemos alguns casos em que as pessoas dizem que eles examinam o animal, mas esse meu Vet nem ligou muito para mim. Entregamos todos os documentos que ele pediu (laudo sorologia, carteira de vacina anti rábica e comprovação de microchip) e, depois que conferiu tudo, ele assinou e carimbou meu CZI, que a mamãe já levou preenchido com todas as minhas informações.

Esse Vet Oficial também nos informou que eu precisava de um Pet Passaporte Europeu para poder voltar para a Berlin. No primeiro momento, mamãe levou o maior susto, pois o pessoal do Brasil nunca mencionou a necessidade desse passaporte para voltarmos pra cá.

Ele também pediu bastante atenção (na verdade fez cara feia mesmo) pra data da minha vacina contra raiva: ela vence na próxima segunda-feira, dia 11/07. Assim que eu chegar, vou na tia Satie pra fazer essa vacina. Ela não pode vencer de jeito nenhum, senão, ela invalida minha sorologia e tooooodas as outras coisas. Estar imune à raiva é a parada mais importante de todas. 

Ah, outra coisa que a gente não sabia: depois da vacina, eu preciso esperar 30 dias para poder viajar de novo. Por pura sorte, vamos ficar 40 dias no Brasil, então vai dar tudo certo. UFA!

(Não podemos deixar de agradecer a tia Thaís, mamãe da minha amiguinha Bella, que foi com a gente e falou com o senhor Vet em alemão! Sem ajuda dela nós não teríamos conseguido meus documentos, pois o Vet não falava inglês. Obrigado, tia Thaís! <3)

Mas o que acontece é que agora eu sou um morador aqui da cidade, e preciso de mais esse documento para conseguir voltar. Ele disse que qualquer veterinário poderia fazer esse passaporte pra mim, então voltamos para casa, e mamãe começou a procurar consultórios na nossa região.

Graças ao papai do céu, eu não precisei ir a nenhum veterinário daqui nesses primeiros meses, e sempre que a mamis tem alguma dúvida, ela troca e-mails com a Dra. Satie, que é a vet de todos os pets da nossa família no Brasil.

Por sorte, conseguimos falar com um consultório bem pertinho daqui de casa, e eles nos atenderam em inglês e nos disseram que poderíamos ir lá fazer meu passaporte no fim do dia. Fui novamente com a mamãe, e quando chegamos lá, a atendente era uma querida! Nos recebeu bem, pegou algumas informações e pediu pra gente esperar.

Deu pra perceber que ela foi bacana e fez um encaixe pra mim no fim do dia, pois viu que nossa viagem seria essa semana. O passaporte sai na hora! A doutora de lá fez a leitura do meu microchip com um aparelhinho e deu uma olhada geral na minha pessoinha rs.

O custo desse Pet Passaporte Europeu + a “consulta” foi de 25,89 euros, e o CZI que contei lá no começo custou 20. Voltei pra casa mais documentado do que nunca, e me sentindo muito importante! Eu tenho um Passaporte Europeu, gente! Dá pra acreditar? hehehe

IMG_20160705_121252

Como a mamãe contou ontem, também já tô de malas prontas! Não vamos levar tanta coisa, pois vou ficar hospedado na casa dos meus avós, e lá tem as coisas do Nico… Que eu sempre acho que são minhas! hahaha brinquedo, caminha, pote de comida, tudo. Lá eu tô em casa né, pessoal?

As únicas coisas que vamos levar como bagagem de mão são:

  • Minha bolsinha de transporte na qual devo ficar durante todo o vôo;
  • Cobertorzinho pra eu dormir (apesar de peludinho, mamãe sempre se preocupa se vou sentir frio);
  • Tapetinho higiênico que a Cia Aérea pede pra forrar a bolsinha, caso o pet faça xixi ou cocô (eu não faço);
  • Meu ETzinho de brinquedo, pra eu poder me distrair durante a viagem (é importante que o brinquedo não faça barulho, viu?);
  • Potinho com um pouquinho de ração pra eu comer à noite (não sabemos se lá na hora vão pedir pra jogar fora, mas não custa tentar, né? se não puder, mamãe me dá os legumes e frutinhas que eles servem nas refeições)
  • Bebedouro portátil que a mamãe enche com a água que dão no avião (ela não me dá muito, pra eu não sentir muita vontade de fazer xixi).

Tudo vai dentro de um Ziploc na bolsa da mamãe! 😉

IMG_20160705_210033

Agora é só curtir os últimas dias aqui, ficar bastante com meu papai, e me despedir de todos os amigos que já fiz aqui! Ficaremos 40 dias no Brasil e sentiremos saudade de tudo em Berlin.

É isso, pessoal! Se vocês tiverem alguma dúvida, é só deixar nos comentários! Assim que chegarmos no Brasil, a gente conta como foi a viagem e prepara um post bem completinho com várias dicas de viagem com Pets pra vocês!

Lambeijinhos!

 

 

 

 

 

Continue Reading