Meu primeiro mês em Berlin

12733553_960551404028512_7067478929986290044_n

Ontem, dia 15/02, fez um mês que chegamos em Berlin. Acabei não me atentando muito a isso, pois estava mais empolgada com as comemorações das nossas Bodas de Algodão! Coincidentemente, nessa mesma data, é nosso aniversário de casamento. Durante o dia, saí para comprar algum presente pro Will, dei uma volta pela CCC e pela Primark, e comi umas bobagens com uma amiga daqui. À noite, nós saímos para jantar em um restaurante muito bacana aqui de Berlin que chama Hofbrau. Ele é bem típico, animado e muito movimentado! Lembrei tanto do Brasil quando entramos lá: o clima de festa, a música que nos faz lembrar o country e o sertanejo, e a risada alta das pessoas ao nosso redor.

8448594126_64fc5bf1e8_b
Fachada do restaurante Hofbrau! :)

 

O Hofbrau fica literalmente do outro lado da calçada aqui do nosso prédio, então deu pra colocar um saltinho, e nem precisamos nos encher de roupas, como temos que fazer geralmente. Quando chegamos aqui há um mês, o frio cortava a pele, mas agora, o inverno está mais ameno. Faz umas duas semanas que os termômetros não marcam temperaturas negativas, mas confesso que já sinto saudade da neve branquinha cobrindo a cidade.

hb5
Comemorando as Bodas de Algodão! <3

LAR DOCE LAR 

Esse primeiro mês passou muito rápido e superou as minhas expectativas. Eu achava que me sentiria perdida, deslocada, sem chão. Tive muitas crises de ansiedade no Brasil, pensando nisso. Mas quando cheguei aqui, apesar da saudade da família, eu me senti em casa. Nos dois primeiros finais de semana, nos dedicamos a comprar o que estava faltando em casa: cortinas, panelas, jogo de cama extra. Enfim, coisinhas para casa. Sem falar no tapete que eu fiquei simplesmente alucinada! Fazia séculos que eu estava viciada nas referências do Pinterest que apresentam esse tapete na composição dos cômodos. Quando bati o olho nele lá na Ikea… Enlouqueci!

Contrariando o desejo do Willian e os conselhos da maioria, eu não conseguia turistar. A vontade de deixar nosso apartamento com cara de casa era muito grande. Como passo a maior parte do tempo em casa, sentia uma necessidade muito grande de ver tudo bonitinho, do jeito que planejei. Agora, está tudo em ordem! Faltam apenas alguns detalhes de decoração, mas isso nós faremos aos poucos.

!
Sala de jantar + estar do nosso apê! <3

O que falta

  • Pensar numa cor diferente para as paredes principais
  • Colocar nns quadrinhos ou pôsteres legais
  • Cadeira para a mesa do cantinho Home Office
  • Luminárias para o teto
  • Puffs bacaninhas para compor os ambientes
  • Mais almofadas bacanas
  • Mais jogos de copos, pratos e talheres
  • Artigos de Decoração
  • Sim, eu estou viciada no Pinterest
  • Ah, faltam também mais bonequinhos Funko Pop dos nossos personagens preferidos de séries e filmes, tipo o Jon Snow, Dean e Sam Winchester e todo elenco de Friends, e Once Upon A Time, e por aí vai, porque eles são lindos e fofos e a gente quer super fazer uma coleção.

A SAUDADE

A forma com que eu aprendi a lidar com a saudade, nesse primeiro momento, também foi algo que me surpreendeu. É claro que quase sempre dá um aperto no coração quando pensamos na distância, e também nos sentimos isolados quando as pessoas se reúnem aí, e a gente fica aqui só curtindo as fotos da FB. Mas eu tentei não pensar muito nisso, e foquei nas coisas que precisava fazer aqui. Sem contar que eu converso com a minha mãe todos os dias pela câmera! É o maior barato.

É claro que isso não substitui a presença, mas é divertido e… É o que tem pra hoje. Todos nós tivemos que nos acostumar com essa nova realidade. O fato é que, justamente por estar longe, sinto uma necessidade muito grande de me fazer presente, de saber o que está acontecendo, de demonstrar meu afeto. Sábado passado fiquei até de madrugada conversando com meu irmão. Demos muita risada e falamos dos assuntos mais idiotas possíveis. Parecia que estávamos ali, lado a lado, como sempre foi.

Apesar de focar no lado bom, tive meus momentos de tristeza. No dia em que o Nico prestou atenção em mim pela câmera do celular pela primeira vez, não conseguir controlar o choro. Quando desligamos a ligação, corri pro sofá aos prantos… Como a saudade dele me parte o peito.

Por mais que o Wisky esteja aqui, nada consegue amenizar a falta que ele me faz. Um cachorro não supre a falta que o outro faz. Mas nesse dia, Wiskynho sentiu que eu estava chateada e me deu um porção de beijos. Tenho certeza que no coração dele, também habita a mesma saudade. Ficamos uns minutos ali abraçados… E eu rezando pra tristeza passar.

Outro dia, eu estava fazendo café, quando de repente, ouvi a voz da minha mãe. No dia do show do Roberto Carlos, no natal, ela me mandou um áudio Whatsapp, cantando a nossa música. Não sei porque, mas aquele áudio ficou gravado na minha play list… Quando ouvi a voz dela, eu simplesmente desabei. Demorei uns segundos para entender o que tinha acontecido, mas por um segundo, pensei que ela estivesse ali. Nunca senti algo tão forte dentro de mim.

Mas o dia em que eu puder te encontrar

Eu quero contar o quando sofri

Por todo esse tempo que eu quis lhe falar

Eu te amo, Eu te amo, Eu te amo… 

 

BERLIN É FODA!

Tirando esses perrengues… Cara, aqui é MUITO legal! Cada lugar que eu conheço, ou a cada nova experiência na cidade, a minha vontade é mandar um VEM PRA BERLIN pra todo mundo que eu gosto! Final de semana passado, nós fomos para a Torre da TV. Fica a um pulo aqui da nossa casa, pois moramos muito perto da Alexanderplatz. Infelizmente, Wisky não pode ir com a gente, porque lá não entra cachorro… Mas mesmo assim, aproveitamos. Berlin consegue ser ainda mais linda vista de cima!

torre da tv
Torre da TV de Berlin!

 

Depois disso, almoçamos no KFC do centro, e depois fomos a Galeria Kaufhof que é linda de morrer! Tem stands das marcas mais bacanas, e apesar de não entender bulhufas disso, fiquei encantada! Ainda pegamos uma promoções muito boas e deu pra fazer umas comprinhas! \o/ As lojas estavam em promoção por causa do Valentine’s Day que foi no domingo.

Berlin-Mitte,_Alexanderplatz,_Galeria_Kaufhof
Fachada da Galeria Kaufhor

 

ROTINA 

Como aqui os dias são mais curtos (anoitece lá pelas 16h) a gente sempre chega cedo em casa. Nós nunca fomos um casal muito baladeiro, nem mesmo aí no Brasil. Mas sempre tinha casamento, aniversários, formaturas. Sempre tinha alguém que carregava a gente para alguma noitada. Mas aqui, como quase sempre estamos sozinhos, preferimos voltar logo mesmo pra casa.

Primeiro porque eu sempre reclamo de dor no pé. Segundo porque o Willian sempre sente fome. E terceiro (mentira, esse é o primeiro motivo) não gostamos de deixar o Wisky muito tempo sozinho. É um saco quando ele não pode nos acompanhar.

Agora no final do mês vou começar meu curso de alemão. Confesso que não estava muito afim de fazer agora, mas conheci uma garota brasileira, esposa de um amigo do Will, que também chegou agora, e está super animada. Decidi que é melhor aproveitar e começar com ela, que é super gente boa, e uma pode ajudar a outra. Não estou com muita expectativa de super aprender o idioma… Mas o básico já vai ajudar bastante. Entender as pronuncias, assimilar o que eles estão se referindo, enfim. Sertão 4 aulas por semana, 3h por dia. É um módulo intensivo mesmo, mas vamos ver no que dá!

É isso, pessoal!

Beijos

 

Continue Reading

Diário do Wisky: mudanças fisiológicas causadas pelo inverno rigoroso de Berlin

12651222_954435811306738_7032452720099701727_n

Oi, galerinha! Olha eu aqui de novo dando as fuças no Blog da Mamãe!

Essa semana nós postamos lá no meu Instagram um recorte com algumas fotos minhas aqui em Berlin. Nesse post, a gente contou que algumas mudanças fisiológicas aconteceram comigo desde que chegamos. A primeira delas foi que a mamãe notou que meu apetite aumentou muito e que eu estava bebendo muito mais água do que o normal.

Eu tentei explicar para ela que estava comendo mais porque finalmente estava livre da dieta! Pra quem não sabe, eu fiquei um mês fazendo regime para poder me encaixar no peso determinado pela Lufthansa. Minha mãe não queria que eu fosse no porão de jeito nenhum! (pra falar a verdade, nem eu queria) Por isso eu precisava perder umas graminhas para poder viajar na cabine do avião com eles. Foram dias e dias de alimentação restrita e caminhadas, e no final, deu tudo certo!

Mesmo sabendo que eu tava era tirando a barriga da miséria mesmo, mamãe entrou em contato com a minha veterinária aí do Brasil. Ela é super bacana e atenciosa, e sempre se mostrou disponível para nos ajudar mesmo à distância. Ela nos contou que esse aumento do meu apetite aconteceu porque passei por uma mudança muito brusca de clima. Meu corpinho está trabalhando mais para produzir mais gordura e manter a temperatura ideal pro meu organismo. E quanto mais eu como, mais sede eu sinto, né. Acabo também fazendo mais xixi e mais cocô.

Isso foi bem nítido nas primeiras semanas, mas agora, meu apetite já normalizou. Eu também não estranho mais o frio que faz lá na rua, como foi no primeiro momento. Aí entra a segunda coisa que a mamãe notou: meus pelos cresceram bastante desde que cheguei aqui. Antes de viajarmos, fiz tosa bebê e tosa higiênica no pet, porque não sabíamos quanto tempo demoraria para encontrarmos esse tipo de serviço em Berlin. Aliás, ainda não encontramos, acreditam?

No segundo banho que a mamãe me deu, ela ficou chocada com a diferença de uma semana para outra. Essa também foi uma reação do meu organismo, que percebeu que eu precisava me manter mais aquecido aqui. Além de terem crescido, a textura também está diferente.

Meu pelo sempre mais grosso, liso e oleoso, mas agora ele está mais felpudo, parecendo algodão. A cor também mudou, por incrível que pareça. Eu que sou ruivinho de nascença acabei ficando mais castanho aqui! Não temos certeza, talvez seja a luz natural aqui de Berlin, e porque eu fico bem menos exposto ao sol, que dura poucas horinhas (entre as 9h e 13h geralmente).

 

wisky-post-efeitos

Além disso, também descobrimos uma coisa engraçada e curiosa sobre cachorros! Mamãe sempre ficou curiosa com o fato de que, quando tô fazendo o número 2, eu fico olhando pra ela! hehehe Há uma série de possibilidades que podem justificar isso. Parece que essa troca de olhares causa uma reação fisiológica igual ao que acontece entre uma mãe e seus filhotes.

Também é possível que a gente fique esperando a aprovação dos donos por estar fazendo cocô fora de casa, ou mesmo que estejamos pedindo permissão pra fazer. Outra hipótese é que a gente esteja dando checada se vocês, humanos, estão vigiando enquanto estamos, digamos… ocupados. Pode parecer bobo, mas a mamãe adora esses assuntos! rs

É isso, pessoal!

No próximo post nós vamos contar tudo sobre a viagem de avião! 🙂

Lambeijinhos <3

 

 

Continue Reading

Meu primeiro inverno em Berlin: tudo tem seu lado bom e ruim

nati-neve

Entre tantas coisas que eu temia ao imaginar como seria a vida aqui em Berlin, o inverno certamente não era uma delas. Eu nunca gostei muito do calor e reclamava sempre que a previsão do tempo indicava que a temperatura iria passar dos 25º. Pra mim, verão só é bom se você tá curtindo praia, piscina ou cachoeira. Você pode até discordar e dizer que ama o verão, mas enfrentar a realidade da caótica como a cidade de São Paulo aos 32º é péssimo!

Tudo mudou, porém, quando botei meus pés em solo alemão. Eu simplesmente nunca senti um frio tão forte como esse. Quando descemos em Berlin e saímos do aeroporto, senti um vento tão forte atravessando minha roupa e cortando minha pele que eu achei que fosse congelar ali mesmo. Infelizmente, tivemos uns contratempos na chegada, como eu contei pra vocês no outro post, e o meu cachorrinho Wisky estava sentindo mais frio do que eu. Acabei me desligando um pouco da sensação térmica, mas nunca vou esquecer da minha primeira impressão sobre o inverno europeu.

Apesar disso, acho que tudo tem seu lado bom e o seu lado ruim. Estou prestes a completar meu primeiro mês aqui em Berlin e já consegui elencar algumas coisas sobre como é VIVER o inverno, e não só curtir, como quando fazemos durante viagens e passeios.

  • Roupas pesadas e N acessórios x O melhor da moda

Ter que usar roupas tão pesadas e lidar com tantos acessórios enche o saco. Toda vez que eu penso que tenho que sair, já me preparo psicologicamente para um verdadeiro ritual: meia calça fio 120, calça térmica, meia de algodão, blusa térmica, agasalho, cachecol, luva, touca, botas e casaco. Ao final de tudo isso, eu já estou derretendo dentro de casa! Por isso que eu só deixo pra me trocar minutos antes de sair. O lado bom é que as roupas e acessórios de inverno são muito bonitos por aqui! Eu sempre me senti mais bonita com roupas de frio. No calor, eu coloco qualquer coisa.

30017_620x

  • Cuidados obrigatórios x Pique para se arrumar mais

Se você não quer ficar toda cagada com uma péssima aparência, os cuidados com a pele e com o cabelo são praticamente obrigatórios por aqui. Lá pelo 2º dia, meus lábios começaram a arder, até que racharam e estouraram. Tive que tratar com pomadas próprias e agora retoco o hidratante labial várias vezes ao dia, mesmo em casa. A pele do rosto também começa a ficar estranha. Eu uso filtro solar fator 30 antes de sair de casa, e aplico um hidrante após o banho. No calor do Brasil, eu morria de preguiça/nojinho de passar tudo isso – sem falar na maquiagem – por tudo derretia em poucas horas, simplesmente. Aqui todas essas coisas que aplicamos na pele duram muito mais horas e ainda nos fazem bem!

IMG_0323-1-1

 

  • Temperaturas congelantes x A beleza da neve nas ruas 

Já falei que o inverno é congelante lá em cima, mas para que você não pense que é exagero, vou lhe dar um pequeno exemplo. Numa determinada manhã ensolarada aqui em Berlin, decidi levar meu cachorro para dar uma volta no quarteirão, como sempre faço. Nesse dia eu esqueci de colocar a touca e as luvas, e tive que voltar correndo após 5 minutos de caminhada. As pontas das minhas orelhas formigavam e eu não sentia os dedos das mãos. Simples assim. Pelo menos vemos as ruas lindas, branquinhas e cheias de neve! A cidade é linda e super combina com esse inverno.

88713412_870c166609_b

 

  • Preguiça de sair de casa x Curtir o aconchego do lar

Não dá vontade de colocar o nariz para fora de casa. Bate uma preguiça enorme de ter que colocar tuuuuuuuuuudo aquilo de roupa para fazer qualquer coisa na rua. Se você é do tipo de gosta de sair pra ver gente (eu não te entendo, sério) provavelmente vai sofrer se vier morar em Berlin. Ou vai topar enfrentar e correr o risco de encontrar meia dúzia de gatos pingados. As vezes bate um tédio e uma deprê leve, mas daí você lembra que existe o Netflix, internet, livros, chocolate quente e cobertor e tudo na vida volta a fazer sentindo.

relaxing-activities-at-home-690x460

 

  • Delícia de choque térmico x Cuidado com a imunidade a saúde 

Você se entope de roupa para chegar em algum lugar que provavelmente vai ter aquecedor. Mesmo que tire o casado, as roupas térmicas continuam ali, cozinhando você aos poucos. Daí chega a hora de ir embora e você sente aquele friozinho delícia te refrescando e restabelecendo sua temperatura normal. Daí você começa a meio que congelar de novo, mas logo logo chega em casa, tira as quatrocentas peças de roupas que está usando e abusa do aquecedor again. Haja imunidade, não é mesmo?! Aliás, já peguei minha primeira gripe.

winter-break

 

  • A temperatura não oscila x A temperatura não oscila

São muitos meses passando por tudo isso que envolve o inverno. Acho que vai chegar uma hora em que vou dar uma surtada, como todo brasileiro diz que surta a primeira vez que encara essa estação por aqui. Mas uma coisa é certa: é muito bom saber exatamente o que você tem que fazer para se prevenir. Bem melhor do que ter que carregar seu guarda roupa com você todos os dias, como acontecia comigo em São Paulo. Quando a gente sai cedinho de casa, tá frio. Na hora do almoço, tá um calor infernal. Na hora de ir embora, dá aquela esfriada, e à noite fica frio de novo. Se você tem uma jornada dupla, tipo trampo + faculdade, certamente vai entender o que estou dizendo. Ah, sem falar no guarda-chuva que sempre tem que estar apostos.

Feet warming near the fireplace

 

Ainda não conheci quase nada aqui em Berlin. Nos primeiros fins de semana, sai pra conhecer a região onde moro e também para comprar o restante dos móveis que precisamos aqui pra casa. Nesse sábado vou conhecer alguns pontos turísticos aqui no centro! <3 Ainda há muito o que aprender por aqui, mas essa foram as minhas primeiras impressões!

Valeu por ter lido até aqui! 🙂

É isso! <3

Beijos

 

 

Continue Reading

Apuros de uma ruiva tingida: descobrindo marcas de tintas em Berlin

16851356890639fd9614e58fe927a3bd (2)

E se você me perguntar quais foram as coisas que mais me apavoraram quando decidimos nos mudar para a Alemanha, quais serão as minhas respostas? Bom, elencando por nível de surto, é óbvio que a primeira coisa era a preocupação com a burocracia para trazemos o Wisky com a gente. A segunda coisa era o medo da saudade da minha família e a terceira era como eu vou conseguir manter meu cabelo ruivo.

Tudo deu certo com a documentação do Wisky e ele já está feliz da vida aqui, como vocês podem ver neste vídeo que postei no Instagram dele. Sobre a saudade da família, nós estamos superando bem. Bate sim um tristeza em alguns momentos, principalmente quando rola alguma coisa legal entre eles no Brasil… Mas todos nós nos preparamos para viver isso e um dá força pro outro diariamente. Afinal, quem foi que disse que pra tá junto precisa tá perto, né?

Família comemorando o aniversário do meu pai dia 17/01! Olha a gente ali no tablet!
Família comemorando o aniversário do meu pai dia 17/01! Olha a gente ali no tablet!

 

Como eu sou uma pessoa muito desesperada ansiosa, minha raiz mal começou a aparecer e eu já comecei a pesquisar sobre as tintas ruivas que vendem aqui em Berlin e como vou fazer pra me virar em casa mesmo. Desde que fiquei ruiva em maio do ano passado, eu uso a Collor Perfect 8.4, que é um loiro claro avermelhado. Tive que descolorir o cabelo antes, pois ele estava bem escuro. Todo procedimento químico foi feito pela minha super cabeleireira Rô que, além de cuidar do meu cabelo, é quase uma terapeuta capilar e casada com meu irmão!  <3

cabelo-antes-depois

Ter cabelos ruivos sempre foi um grande sonho pra mim! Mas eu acabava adiando essa decisão pois tinha muito medo de não gostar do resultado, de estragar o cabelo, ter muitos gastos pra manter a cor sempre bonita. Só que quando me vi com esse cabelo, percebi que qualquer esforço e dinheiro gasto valeria a pena! Nunca me senti tão bonita e acho que eu nasci pra ter este cabelo! <3

Agora aqui em Berlin, vou ter que me virar sozinha para manter meu RedHair, até encontrar salões de beleza por aqui e me sentir mais segura para confiar meu cabelo a um outro profissional. Sim, eu sou super cagona para essas coisas. Acho até que se eu realmente me der bem fazendo tudo em casa, nem vou buscar ajuda profissional.

Como pintar o cabelo em casa

Encontrei esses três tutoriais que falam especificamente sobre cabelos ruivos. O primeiro é o da Lizzie Albuquerque, uma menina muito linda e que tem um ruivo MUITO DIVO que eu sonho em atingir um dia. No começo, como eu tinha muito receio, não arrisquei tanto nesse laranjão, mas é meu grande objetivo!

Nesse segundo vídeo, a Driéli Mayresse Sonaglio testa a tinta L’oréal Paris Récital Préférence 74 que eu encontrei várias vezes por aqui.

No terceiro vídeo, a Maddu Magalhães é mais didática e também deu umas dicas legais sobre como identificar a cor certa. Pra atingir o ruivo ideal, leva tempo, e a gente precisa estar ciente disso.

 

Pesquisando marcas e opções de cores

Uma das coisas mais legais de ser ruiva é poder aproveitar para experimentar tons diferentes dentro dessa cor. Como a tinta vai desbotando, eu posso curtir desde o ruivo mais laranjinha, até uma cor mais intensa, ou mesmo ficar no castanho acobreado. Pensando nisso, encontrei essa opções no site da DM! Agora o próximo passo é consultar a Rô para saber se ela conhece algumas delas, e qual pode recomendar.

A marca que eu encontrei aqui todas as vezes que fui à farmácia foi a Préférence Coloration Kupferblond74! Gosto muito desse tom que aparece na caixinha e certamente não ficaria na mão se puder optar por ela. Vende na DM (4,85 ) e na Rossman (3,99 ).

3600522119067-878760_org

Ainda nessa pegada mais laranjinha que eu amo, encontrei essas três opções:

Olia Coloration Intensives Kupfer 7.40 – 3,75 €

olia

Syoss COLORATION 6-77 PURES KUPFER STUFE 3 – 2,75 €

syoss

Tem também algumas cores mais intensas, partindo para o acobreado e pro vermelhão.

Diadem Coloration Herbst-Gold 721 – 3,75 €

diadem

Country Colors Tönung Toscana Herbstrot 45 – 1,95 €

country-colors

Casting Creme Gloss Coloration Brown Sugar 553 – 3,75 €

casting-creme-gloss

 

Syoss OLEO INTENSE INTENSIV-ÖL-COLORATION 5-77 GLAENZENDES KUPFERROT – 3,95 €

syoss2

Sante Pflanzen-Haarfarbe Naturrot – 5,45 €

sante

Balea Professional Colorschutz Intensivkur, 20 ml – 0,95 €

4010355106186-891027_org

 

É isso, pessoal! Se vocês souberem alguma informação sobre qualquer uma dessas marcas, eu super agradeço! Quando eu fizer o retoque, conto para vocês como é que foi.

Beijo ruivo pra vocês!

Continue Reading