Vida de Casada – Polêmica: divisão de tarefas domésticas entre o casal

images (5)

Eu já falei no post anterior que a nossa (minha e dele) adaptação com a vida de casados foi complicada, mas extremamente enriquecedora, mas o meu objetivo nesse post é desmistificar algumas coisas. Quando entramos na casa nova, assumi o papel de dona de casa por período integral. Mesmo trabalhando fora, e pelas conversas que tenho com quem já é casada, soube que isso acontece com a maioria das mulheres, e que provavelmente, deve ser algo instintivo. A gente entende e assume a bucha, afinal, não temos para onde correr.

Só que o trabalho doméstico não é a minha principal profissão, não. Eu trabalho em uma agência das 9h às 18h, assim como ele trabalha em uma multinacional das 11h às 20h. Embora a nossa carga horária de trabalho seja exatamente a mesma – justificativa, esta, que é usada por todas as “feministas” que alegam que as tarefas do lar devem ser divididas de maneira igualitária – eu confesso que a maior parte da responsabilidade doméstica lá de casa é minha.

Não acho que a forma com que a gente decidiu viver e dividir as coisas seja errada, nem deve ser encarada como padrão, muito menos afirmo que somos o casal perfeito e que não rola um estresse de vez em quando. Acho que há diversas formas de se estabelecer as regras de um lar, e cada casal deve optar o que é melhor pra si.

Eu sou extremamente controladora com a casa, já o Will, é super tranquilo. Eu não tenho muita paciência para ensinar ou esperar que ele faça as coisas no tempo dele que, em contrapartida, é bem teimoso e retrucão. O resultado dessa combinação de personalidades, no dia-a-dia, é que eu acabo fazendo as coisas no impulso, no meu ritmo, quando eu quero, e peço ajuda para ele com alguns detalhes que facilitam o meu desempenho, entende?

Acredito que a chave para que a divisão de tarefas seja justa está nessa troca, no equilíbrio das habilidades e na franqueza entre os dois. Eu não posso esperar que meu marido faça as coisas como e quando eu acho que deve. No começo, eu forcei muito a barra e me frustrei bastante, mas hoje, tento encarar de outra forma. Quando uma coisa é realmente importante para mim, quando é algo que eu sei que precisa ser feito “do meu jeito” e “naquela hora”, eu simplesmente faço. Do mesmo jeito com que algumas coisas já são assimiladas por ele sem tanto desgaste como acontecia antes.

Não estou dizendo que as mulheres tem que se sobrecarregar e aceitar que os caras sejam folgados. Acredito que o casal tem que buscar a fórmula que funciona com eles. Eu me desgasto menos ao fazer do que ficar forçando a barra para que ele faça, entende? É o que funciona PARA MIM.

Tenho certeza de que algumas mulheres podem achar que estou sendo omissa mas, de coração, eu não me importo. Depois que passei a agir dessa forma, ele mesmo percebeu que poderia colaborar mais, e começou a me ajudar de forma espontânea. Sei lá, apenas funcionou. Quando você casa, começa a perceber que existem momentos na relação em que vocês simplesmente se calam e esperam a poeira baixar.

Discutir a relação e os problemas do dia-a-dia o tempo todo nem sempre é salvação para tudo. Ficar utilizando argumentos feministas para forçar uma igualdade que, na minha opinião, é utópica na relação de um casal, não vai te fazer mais mulher. Relacionamento é isso: as vezes, um segura mais a barra que o outro em alguma parte do casamento. Se por um lado, eu comando toda nossa rotina e nossos compromissos, meu marido é minha fortaleza emocional,  a parte que planeja financeiramente nosso futuro, nossos investimentos. O lado que me faz colocar o pé no chão quando eu, perdida em minhas neuroses, deixo passar os bons momentos. Não há igualdade, há troca e parceria.

Eu odeio o jeito que ele lava a louça, e louça, pra mim, é algo que tem ser impecável. Perdi as contas de quantas vezes tentei ensiná-lo e não adiantou. Hoje, essa tarefa é sempre minha, mas de vez em quando, me permito deixar  a pia suja pra curtir um filminho com o maridão. E aí, no outro dia, a pia tá “limpa”. Não do meu jeito, mas do jeito dele. Do jeito de quem quer colaborar, de quem tem boa vontade. Boa vontade: essa sim é a salvação de tudo.

 

 

Continue Reading

Vida de Casada: a fase de adaptação

Love-Couple-Widescreen-Wallpaper-HD-Resolution

Sempre li nas historinhas da Disney que, depois do “felizes para sempre”, o príncipe e a princesa se mudavam para o castelo encantado! Um lugar imenso, mágico, repleto de criados e decorações provençais. Acho que de certo modo, a gente guarde esse tipo de expectativa dentro da memória depois que cresce. Malditos contos de fadas!

A responsabilidade da vida real bateu bem cedo na nossa porta, logo após a lua de mel. Pra começar, quando entramos na nossa casa, ainda faltava muita coisa! O único cômodo que estava completo era o quarto. Não tínhamos pias no banheiro e nem na cozinha, nem box no banheiro, nem chuveiro quente. Ficamos mais de uma semana sem geladeira. O sofá e a estante chegaram alguns dias depois, e a mesa de jantar atrasou quase 2 meses. O Will sempre recorda dessa fase com um sorriso no rosto pois, apesar da dificuldade de ter que tomar banho gelado (ou correr pra casa dos pais), escovar os dentes e lavar a louça no tanque, a gente estava muito feliz com tudo aquilo!

No primeiro encontro com as minhas amigas solteiras depois do casamento, elas me perguntaram: E aí, como estão as coisas? Demorei um pouco para responder, por que, sinceramente… Não havia uma definição. Fases de adaptação são muito complicadas de se definir. Se por um lado, você está muito feliz em finalmente dividir a vida com seu amor, por outro, ainda bate uma saudade da casa dos pais, da mordomia, do conforto. Fecho os meus olhos e imagino que estar nessa fase é como estar no meio de uma ponte entre um lado e outro; ainda olhando um pouquinho para trás, mas sem desistir de seguir em frente.

Para mim, essa fase durou quase 6 meses. Imagino que esse tempo seja muito relativo, mas eu demorei um pouco para aceitar por completo a vida nova. No começo, eu ainda não contava com ajuda profissional de uma diarista (algo que recomendo, sem pestanejar, a todas as mulheres que trabalham fora!), então, eu limpava a casa todo dia e fazia faxina aos fins de semana. O Will estava terminando a pós graduação dele, que durava o sábado inteiro, e ainda tinha que estudar durante a semana. Nunca me senti tão exausta e esgotada como nesses primeiros meses.

Eu ainda não havia encontrado meu ritmo, queria atingir a perfeição que era a casa dos meus pais. Queria que tudo estivesse lindo, limpo, organizado, como eu sempre sonhei. Até que um dia, o Will chegou em casa e me pegou chorando, com o rodo nas mãos. Acho que aquele momento foi um basta para nós dois. Então, decidimos contratar uma diarista que vai em casa a cada 15 dias e faz uma super faxina. Foi uma das melhores decisões que nós tomamos, foi bom para nós dois: eu comecei a relaxar mais e me preocupar apenas com as tarefas diárias, e ele ficou mais tranquilo, pois não encho mais o saco dele o tempo inteiro.

Fui pegando “as manhas” da casa, ensinando algumas coisas pro Will, e aprendendo muito também. Pesquisei bastante na internet, e devo muito ao Blog Vida Organizada! Super recomendo essa leitura para quem vai se casar, morar sozinho, ou simplesmente está perdido com a organização da casa e da sua própria vida.

Estamos casados há quase 10 meses e somente há algumas semanas atrás me dei conta de que finalmente encontrei (ou aprendi a apreciar) a felicidade no casamento, na #VidaDeCasada.

Demorou um pouquinho, mas acho que é porque eu sou mimada mesmo. Não é que não fosse feliz no início… Ao contrário, nos divertimos bastante com as trapalhadas vividas por dois filhos caçulas aprendendo a cuidar de uma casa. Mas é que eu sou assim, não reajo muito bem à mudanças. Só me sinto feliz e confiante quando já estou “no comando” do barco.

Uns dizem que o primeiro ano é pura lua de mel, outros, que é o mais difícil. Posso afirmar que é a uma mistura das duas coisas e que cabe ao casal decidir equilibrar os dois momentos: aproveitar o romantismo e as coisas boas de morar juntinho, mas não adiar os papos sérios e expressar seus sentimentos.

É isso!

Aguardem os próximos posts da tag #VidaDeCasada

Beijos

 

 

Continue Reading